REQUEIXO (produto galego que altera os sentidos)

Posted by Seymour | Posted in Xeral | Posted on 20-02-2009

(Terapia inicial: alterada. Proposta enviada á paciente por: Chousa da Alcandra)

Sabémolo.

Esta cea só foi unha desculpa para gozar da sobremesa, xa que logo, comezamos a multiplicar. Pouso o garfo e o coitelo, miro para ti, e deixo que preguntes.

– Que tomas?

– Algo que saiba a grelo e mirabel, a pataca a cenoria a abelá, a seseo reintegrado e a gheada normativa.

E cando chega o camareiro pido requeixo sen mel, só con azucre ao cadrado, porque a picadura dunha abella fai moitos anos que me deixou resentida para sempre.

– Eu tomo pílulas das Neves- digo.

Ti miras a carta e decides que tamén queres requeixo, pero con mel. O doce que se use non altera o producto, convértese en potencia. Se non te coñecera diría que a ti as picaduras te fixeron inmune.

– Eu xarope da Capela.- pides.

Prescindes das parénteses. Non fas ningún esforzo en disimular que argallas un contraste de salivas por se acaso despois me presta degustarte, por se máis tarde te como uns bicos.

– Sábete?- dis.

A estas alturas, a distancia de mantel que nos separa recende a fraga por mar, e dos pespuntes dos panos abrollan aturuxos.

– Sabe – respondo.

Controlar o apetito case doe. Apetece apurar as culleradas, ter a boca sempre chea, marear a lingua nesa crema. Mais sabemos que sabe máis perfumar o padal con calma, quecer con gula cada bocado ata o número n.

– A que?- queres escoitar o que xa sabes.

– Sabe a seda calmante, coma o roce dos teus ollos nas miñas suturas.

E mentres petisco dentro das túas meniñas un adianto da formula maxistral que imos resolver na casa, repañamos da copa e do prato ata a última partícula.

Debaixo da mesa os nosos pés parrafean.

(Sabe…, Doutora…. ?)

NORDÉS

Posted by Seymour | Posted in literaturaterapia | Posted on 16-02-2009


Teño

o

corpo

baleiro,

os

nocellos

fríos.

As unllas cravadas na área,
o peito cheo de pena,
a vontade feita folerpas,
as feridas abertas,
os novilunios esgotados,
latéxanme as tempas,
o corazón desleixado.

Ti fúcheste no nordés
e eu fiquei ó cabo do océano
desfacendo as ondas coas mans,
e non houbo máis que facer,
era noite pecha,
no monte ouvearon os cans.

Paréceme que non sinto nada
pero aínda me fago preguntas (…)

Gabriela Rodriguez

(Atopar unha voz que traduza en palabras o que ás veces quero expresar e sempre son incapaz de dicir. Esa é a miña ledicia…. ELEMENTAL….)

DETRÁS DO CRISTAL…

Posted by Seymour | Posted in Xeral | Posted on 09-02-2009

…chove, non para de chover, e a auga cae distinta cada día. A de hoxe cae convidándome a enchoupar os pés nos charcos para provocarme un frío, e que despois a miña nai teña que rifarme mentres me seca, e teña que quentar un pixama no radiador, e teña que meterme os brazos polas mangas mentres eu deixo o corpo medio desmaiado.

A chuvia de hoxe confabula comigo para que colla un catarro, e que a miña nai teña que meterme na cama, e teña que fretarme o peito con ungüento de eucaliptos ata que as súas mans me espanten os fríos, e teña que obrigarme a tomar leite moi quente, e teña que taparme coas mantas ata o queixo, e teña que darme un bico na fronte, e teña que acocharme, e volver a taparme ata o nariz. E teña que sorrir. Doce condensada.

A chuvia de hoxe cae para que eu peche os ollos, e que ela arrime a porta, e que eu saiba que ela está aí, ao outro lado da parede, pendente de cada tose. E tuso cada segundo.
Chove para que eu durma. E soñe.
Sen paraugas.
E sen katiuscas.
Traste-mecosa.

(Seymour…., as pingas hoxe case recenden a mel e Vicks Vaporub…., xa me gustaría… )

EXERCICIO Nº 21

Posted by Seymour | Posted in literaturaterapia | Posted on 02-02-2009

“(…)Como contar o que se seguiu? Eu estava estonteada, e assim recebi o livro na mão. Acho que eu não disse nada. Peguei o livro. Não, não saí pulando como sempre. Saí andando bem devagar. Sei que segurava o livro grosso com as duas mãos, comprimindo-o contra o peito. Quanto tempo levei até chegar em casa, também pouco importa. Meu peito estava quente, meu coração pensativo.
Chegando em casa, não comecei a ler. Fingia que não o tinha, só para depois ter o susto de o ter. Horas depois abri-o, li algumas linhas maravilhosas, fechei-o de novo, fui passear pela casa, adiei ainda mais indo comer pão com manteiga, fingi que não sabia onde guardara o livro, achava-o, abria-o por alguns instantes. Criava as mais falsas dificuldades para aquela coisa clandestina que era a felicidade. A felicidade sempre iria ser clandestina para mim. Parece que eu já pressentia. Como demorei! Eu vivia no ar… Havia orgulho e pudor em mim. Eu era uma rainha delicada.

Blossoming almond branch in a glass with a book, Vincent van Gogh

Às vezes sentava-me na rede, balançando-me com o livro aberto no colo, sem tocá-lo, em êxtase puríssimo.
Não era mais uma menina com um livro: era uma mulher com o seu amante.”


(Felicidade clandestina – Clarice Lispector)

(Cando empresto un libro, sufro, Doutora Seymour, penso que os demais poden ser coma min, avarentos, celosos profundos, secuestradores de verbas fermosas…, e loito entre o desexo de berrar a beleza e a sabedoría que atopo en tantas páxinas ou gardar todos eses tesouros só para min.)